terça-feira, 15 de maio de 2007

Mais um fiasco da mulher no poder

Embora exausta dos inóquos debates de assuntos que comparam, genericamente, seres do sexo masculino e seres do sexo feminino, não posso deixar de comentar sobre o lamentável episódio ocorrido entre Clodovil e a deputada Cida Diogo.

Não aprecio falta de educação, muito menos tolero chiliques de gente que nunca gostou de mulher, mas peralá: as mulheres lutam tanto para alcançar uma posição de destaque na sociedade, reclamam tanto da falta de igualdade de direitos com relação aos homens, mas são tão mulherzinhas às vezes...

Aquele ataque de tpm no congresso foi vergonhoso! Como é que pode uma mulher se dar ao luxo de cair no choro porque um qualquer a chamou de "feia"!?!? É como se um deputado se debulhasse em prantos se um colega o chamasse de "corrupto", ou se eu me descabelasse porque o meu irmão me chamou de "boboca". Que falta de compostura!

Eu insisto, bato na tecla: queremos participar ativamente do governo do país, ter salários compatíveis com os dos homens? Então temos que agir, no mínimo, como eles!!! Homem não tem tpm! Homem não cai no chororô por qualquer bobagem! Homem não tem cólica!

Tá, homem que é homem também não fica depreciando a mulherada por aí, mas não nos nivelemos por baixo, né gente?

8 comentários:

Cíntia Freitas disse...

www.cintiadisse.blogspot.com

Blog novo!!

Te espero lá.

Quanto ao Clô, sei lá, viu.

K disse...

Rê,

Concordo. Se ele foi estúpido, ela foi estúpida e meia! E uma coisa não justifica a outra.

De forma geral, foi mais um espetáculo circense de péssimo gosto!

Bjo
K

Stella disse...

Falou tudo! Pensei o mesmo ao ver aquela cena.
É por isso que existirá sempre a velha máxima: mulher sinônimo de fragilidade!
Você escreve bem!! Adorei!

Helder Hortta disse...

gostei muito do seu texto, da sua posição frente a chilique da deputada.
abração

Fernando Borges de Moraes disse...

Ela poderia ter dito: "sou feia, mas tô no poder!". Que falta faz um divãzinho...

Morena disse...

Querida Rê, eu entendo perfeitamente sua posição, mas dia desses eu estava numa fila da Caixa Econômica Federal, umas três horas esperando, imagina! Um homem louco começou a chamar a caixa de gorda porque a fila não andava... A mulher coitada começou a chorar pela humilhação que passou... Somos assim! Eu fiquei louca comecei a defender a mulher, e depois fiquei me questionando porque ainda temos que nos comportar como mulherzinhas indefesas... Não sei se são os hormônios, mas eu me senti como ela.Será que para vivermos nesse mundo temos que nos travestir? No final de tudo o idiota saiu numa boa e ela e eu ficamos tremendo... Não sei nem o que pensar sobre isso, mas eu estou sempre do lado da mulher...

Renata disse...

Morena,
Naquele momento, a funcionária do banco estava em posição de desigualdade com o cara. Ela estava trabalhando e "o cliente sempre tem razão" na visão do chefe. Emprego tá difíci de arrumar. Naquele momento, ela não podia devolver na mesma moeda ou mesmo responder qualquer coisa para o cliente. É compreensível o choro quando não se pode, por motivos hierárquicos, mandar a pessoa pra'quele lugar ou dar uma resposta à altura. Mas no caso da apareCIDA, não.

Lana disse...

Asssunto antigo, tema atualissimo.
Aqui encontrei uma visão + ampla.
Precisamos sair do pais de faz de contas....esssa Sra. faz de conta que é liberal, atual, revolucionária e no final é uma
pessao com QI emocional de 2 anos .
Lamentável o comportamento dos dois.
Ponto pra vc e seus leitores que encontraram aqui uma opinião diferente para refletirem.