quarta-feira, 18 de julho de 2007

No parque de diversões




5 comentários:

Si disse...

e como ficam os "cardíacos" apaixonados????

Fernando Borges de Moraes disse...

Saquei...

Cíntia Freitas disse...

compreensível.

Dri disse...

Parque de diversões? Meu negócio é com Piscina. Eu adoro uma boa piscina. Amo, na verdade, ainda que faça um bom tempo desde meu último mergulho. Voilà! Pela primeira vez não precisei enrolar para chegar onde queria.
Cresci mergulhando em piscinas ao primeiro sinal de calor, sem me importar coma profundidade das mesmas. De cabeça. E sem bóias. Infelizmente, com a maturidade veio o medo. Não sei se a culpa é das diversas vezes em que quase me afoguei ou então daquelas em que o ralo puxou-me para o fundo do tanque. O fato é que já não consigo mais mergulhar despreocupadamente. O que faço, hoje em dia, é checar se a água está própria para o banho antes de me molhar. Coloco um pé, depois o outro. Uma vez acostumada com a temperatura, molho os pulsos. Molho a barriga. Atrás da nuca. E então vou entrando, lentamente. Os cabelos só são molhados muito tempo depois
...
Renas, eu tô perdida.

andergomes disse...

Convite para o Hopi Hari, nem pensar?!(rs)
Pois é... Sem o menor pudor em admitir: eu também sou mais o carrossel. Mas... A gente escolhe?
E quando se pega a fila para o brinquedo errado e só se dá conta da cagada quando não há mais nada a fazer a não ser o sinal da cruz e torcer para que tudo acabe logo?
Um algodão doce para quem puder explicar...